ABUSO SEXUAL NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

O QUE É ABUSO SEXUAL INFANTIL

O abuso sexual infantil é uma forma de abuso infantil que inclui atividade sexual com menor. Uma criança não pode consentir qualquer forma de atividade sexual, em qualquer idade. Quando um perpetrador se envolve com uma criança dessa maneira, eles estão cometendo um crime que pode ter efeitos duradouros sobre a vítima por muitos anos. O abuso sexual infantil não precisa incluir contato físico entre um agressor e uma criança. Algumas formas de abuso sexual infantil incluem:

  • Exibicionismo, ou expondo-se a um menor

  • Carícias

  • Relação sexual (estupro)

  • Atos obscenos na presença de um menor ou forçando o menor a praticar tais atos

  • Chamadas telefônicas obscenas, mensagens de texto ou interação digital

  • Produzir, possuir ou compartilhar imagens pornográficas ou filmes de crianças

  • Sexo (estupro) de qualquer tipo com menor

  • Tráfico sexual

  • Qualquer outra conduta sexual prejudicial ao bem-estar mental, emocional ou físico de uma criança

 

COM O QUE OS ABUSADORES SE PARECEM

A maioria dos perpetradores é alguém que a criança ou a família conhecem. Cerca de 93% das vítimas menores de 18 anos conhecem o agressor . Um perpetrador não precisa ser um adulto para prejudicar uma criança. Eles podem ter algum relacionamento com a criança, incluindo um irmão mais velho ou companheiro de brincadeira, membro da família, um professor, um treinador ou instrutor, um cuidador ou o pai de outra criança. O “o abuso sexual [infantil] é o resultado de um comportamento abusivo que aproveita a vulnerabilidade de uma criança e não está de modo algum relacionado com a orientação sexual da pessoa abusiva”.

Os abusadores podem manipular as vítimas para ficarem quietas sobre o abuso sexual usando uma série de táticas diferentes. Muitas vezes, um abusador usará sua posição de poder sobre a vítima para coagir ou intimidar a criança. Eles podem dizer à criança que é uma atividade normal ou que eles gostam. Um abusador pode fazer ameaças se a criança se recusar a participar ou planejar contar a outro adulto. O abuso sexual infantil não é apenas uma violação física; é uma violação de confiança e / ou autoridade.

QUAIS SÃO OS SINAIS DE ALERTA

O abuso sexual infantil nem sempre é fácil de detectar. O perpetrador pode ser alguém que conhece há muito tempo ou confia, o que pode tornar ainda mais difícil a notícia. Considere os seguintes sinais de alerta:

Sinais físicos:

  • Hemorragia, hematomas ou inchaço na área genital

  • Roupa íntima sangrenta, rasgada ou manchada

  • Dificuldade em andar ou sentar-se

  • Infecções urinárias ou de fungos frequentes

  • Dor, coceira ou queimação na área genital

Sinais comportamentais:

  • Mudanças na higiene, como recusar a tomar banho ou tomar banho excessivamente

  • Desenvolvimento de fobias

  • Exibe sinais de depressão ou transtorno de estresse pós-traumático

  • Exprime pensamentos suicidas, especialmente em adolescentes

  • Tem problemas na escola, como ausências ou quedas nas notas

  • Conhecimento ou comportamentos sexuais inadequados

  • Pesadelos ou xixi na cama

  • Excessivamente protetora e preocupada com os irmãos, ou assume um papel de guarda

  • Retorna a comportamentos regressivos, como chupar o dedo

  • Prefere ficar longe de casa ou da escola

 

PROCEDIMENTOS IMPORTANTES 

O abuso sexual infantil é um crime que muitas vezes não é detectado. Não importa qual seja o seu papel  —  pai, mãe ou outro membro da família, treinador, professor, líder religioso, babá , policial, você tem o poder de fazer uma diferença positiva na vida desta criança. 

 

Os sinais de abuso nem sempre são óbvios, e aprender os sinais de alerta de abuso sexual infantil podem salvar vidas. Você pode notar mudanças comportamentais ou físicas que podem indicar que uma criança está sendo abusada. 

Se você está preocupado com o abuso, fale com a criança. Tenha em mente algumas diretrizes para criar um ambiente não ameaçador, onde a criança possa ter mais chances de se abrir com você.

  • Escolha a hora e o local com cuidado . Escolha um espaço onde a criança esteja confortável ou pergunte a eles onde eles gostariam de falar. Evite falar na frente de alguém que esteja causando danos.

  • Esteja atento ao seu tom . Se você iniciar a conversa com um tom sério, você pode assustar a criança, e eles podem ser mais propensos a dar as respostas que eles pensam que você deseja ouvir — e não a verdade. Tente tornar a conversa mais casual. Um tom não ameaçador ajudará a deixar a criança à vontade e, em última instância, fornecer informações mais precisas.

  • Fale com a criança diretamente . Faça perguntas que utilizem o próprio vocabulário da criança: Por exemplo, “Alguém tocou em você?” Neste contexto, “tocar” pode significar coisas diferentes, mas é provável que uma palavra com a qual a criança esteja familiarizada. A criança pode responder com perguntas ou comentários para ajudá-lo a avaliar melhor a situação como “Ninguém me toca exceto minha mãe no momento do banho” ou “Você quer dizer como a minha prima me toca às vezes?” Compreenda que o abuso sexual pode parecer normal para a criança, então, perguntar se alguém está “machucando”, eles podem não divulgar as informações que você está procurando, pois eles não tem noção do dano.

  • Escute e acompanhe . Permita que a criança fale livremente. Aguarde que eles pausem, e depois continue com os pontos que o preocuparam.

  • Evite julgamento e culpa . Evite colocar a culpa começando a colocar o “eu” nas perguntas e afirmações. Ao invés de começar sua conversa dizendo: “Você disse algo que me preocupou …”que ser visto como acusatório, considere iniciar sua conversa com a palavra “eu”. Por exemplo: “Eu estou preocupado porque ouvi dizer que você não tem permissão para ir na casa do fulano“.

  • Tranquilize a criança . Certifique-se de que a criança sabe que elas não estão em apuros. Deixe-os saber que você está simplesmente fazendo perguntas porque está preocupado com elas.

  • Seja paciente . Lembre-se que esta conversa pode ser muito assustadora para a criança. Muitos abusadores fazem ameaças sobre o que acontecerá se alguém descobrir o abuso. Eles podem dizer a uma criança que eles serão colocados para adoção ou ameaçá-los ou ameaçar seus entes queridos com violência física.

 

COMO DENUNCIAR OS ABUSOS

Informar um abuso sexual pode não ser tão fácil, e pode ser emocionalmente desgastante. Tenha em mente que relatar o abuso da a possibilidade de proteger alguém que não pode se proteger. Dependendo de onde você mora e seu papel na vida da criança, você pode ser legalmente obrigado a denunciar suspeitas de abuso. 

 

Antes de denunciar

  • Diga à criança que você vai conversar com alguém que possa ajudar. Seja claro que você não está pedindo sua permissão. A criança pode não querer que você relate e pode ter medo, especialmente se o agressor os ameaçou ou aos seus entes queridos. Lembre-se de que ao informar, você está envolvendo autoridades que poderão manter a criança segura.

  • Certifique-se de que a criança esteja em um lugar seguro. Se você tem preocupações com a segurança da criança, certifique-se de discuti-las explicitamente com as autoridades quando você fizer o boletim de ocorrência. Se teme que o agressor cause prejuízos adicionais à criança após o conhecimento sobre a investigação, comunique claramente às autoridades.

  • Se você não for o responsável legal e não está preocupado com o fato de os pais estarem causando danos, você pode consultá-los antes de fazer o boletim de ocorrência.

  • Se você é pai/mãe e está preocupado com o fato de seu parceiro ou alguém em sua família estar prejudicando seu filho, isso pode ser um momento muito difícil. É importante estar lá para o seu filho, e também é importante cuidar de si mesmo.

  • Coloque seus pensamentos em ordem. Você provavelmente será solicitado a identificar informações sobre a criança, a natureza do abuso e sua relação com a criança. Embora as dicas anônimas sejam sempre uma opção, o boletim de ocorrência aumenta a probabilidade de processar o perpetrador.

 

Onde denunciar

  • Se você sabe ou suspeita que uma criança tenha sido agredida sexualmente ou abusada, você pode denunciar esses crimes às autoridades competentes, como os Serviços de proteção à criança.

  • O serviço do Disque Denúncia Nacional de Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes é coordenado e executado pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República.

  • Por meio do Disk 100, o usuário pode denunciar violências contra crianças e adolescentes, colher informações acerca do paradeiro de crianças e adolescentes desaparecidos, tráfico de pessoas — independentemente da idade da vítima — e obter informações sobre os Conselhos Tutelares.

  • O serviço funciona diariamente de 8h às 22h, inclusive nos finais de semana e feriados. As denúncias recebidas são analisadas e encaminhadas aos órgãos de defesa e responsabilização, conforme a competência, num prazo de 24h. A identidade do denunciante é mantida em absoluto sigilo.

 

Também é possível denunciar por esses canais de atendimento:

  • Polícia Militar — 190

  • Polícia Rodoviária Federal — 191

  • Delegacias especializadas ou comuns

  • Disque denúncias locais

  • Delegacias de Polícia

  • Polícia Federal

 

Você pode seguir o seguinte passo a passo nessa abordagem:

  • Primeiro, procure conhecer a história de vida daquela criança ou adolescente;

  • Leve em conta o ponto de vista da menina ou menino;

  • Faça com que ela ou ele se sinta acolhida/o e protegida/o;

  • Não rotule e procure a maior clareza para ajudá-la/o a entender o que há de inadequado naquela conduta e/ou comportamento.

 

Depois de denunciar:

  • Você pode não ouvir ou ver sinais de uma investigação imediatamente. Dependendo das políticas de investigação e do seu relacionamento com a criança, você poderá voltar a acompanhar após alguns dias.

  • Se você é capaz disso, continue a desempenhar o papel de apoio que você sempre tem na vida dessa criança. Se fazer o boletem de ocorrência significa que você não pode mais ter esse relacionamento, saiba que ao informar que você está ajudando essa criança a ficar segura.

NOÇÕES DE CONSENTIMENTO - CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Crie um futuro com menos estupro e agressão sexual, ensinando as crianças a ter empatia com os outros e entender o consentimento.

Crianças de 1 a 5 anos:

1. Ensine as crianças a pedir permissão antes de tocar ou abraçar um amiguinho. Use uma linguagem que ela entenda como: “Sarah, perguntem a Joe se ele gostaria de um abraço de despedida”. Se Joe disser “não” a esta solicitação, diga com alegria a sua criança: “Tudo bem, Sarah! Vamos acenar e mandar um beijo”.

2. Ajude a criar empatia dentro de seu filho, explicando como algo que eles fizeram pode ter machucado alguém. Utilize uma linguagem como: “Eu sei que você queria esse brinquedo, mas quando você bateu em Mike, isso o machucou e ele se sentiu muito triste. E não queremos que Mike fique triste porque nós o machucamos”.

3. Ensine as crianças a ajudar outras pessoas que possam estar com problemas. Converse com as crianças sobre ajudar outras crianças e alertar os adultos confiáveis ​​quando outros precisarem de ajuda. Use o animal de estimação da família como um exemplo: “Oh, parece que o rabo da gatinha está presa! Nós temos que ajudá-la !!”

4. Ensine aos seus filhos que “não” e “pare” são palavras importantes e devem ser honrados. Ensine a seu filho que o “não” deve ser respeitado. Explique que, como sempre, deixamos de fazer algo quando alguém diz “não”, que nossos amigos precisam parar também sempre quando dissermos “não”.

5. Incentive as crianças a ler expressões faciais e outras linguagens corporais: assustadas, felizes, tristes, frustradas, irritadas e muito mais.Os jogos de adivinhação de estilo “charada” com expressões são uma ótima maneira de ensinar as crianças a ler a linguagem corporal.

6. Nunca force uma criança a abraçar, tocar ou beijar qualquer pessoa, por qualquer motivo. Se a vovó exigir um beijo, e seu filho é resistente, ofereça alternativas, dizendo algo como: “Você preferiria dar à vovó um aperto de mãos ou lhe dar um beijo?” Você sempre pode explicar a vovó, depois, o que está fazendo e por quê.

7. Sirva de exemplo, pedindo permissão para ajudar a lavar o corpo do seu filho. Encare com otimismo e sempre honre o desejo do seu filho de não ser tocado. “Posso lavar suas costas agora? E seus pés? Que tal seu bumbum?” Se a criança disser “não”, então dê a ela a esponja e diga “Ok! Seu bumbum precisa de uma esfregada, faça isso”.

8. Dê às crianças a oportunidade de dizer sim ou não nas escolhas do dia a dia, também. Deixe-os escolher roupas e ter uma palavra a dizer sobre o que eles vestem o que eles jogam ou como eles arrumam seu seus cabelos.

9. Permita que as crianças falem sobre seu corpo da maneira que quiserem, sem vergonha. Ensine as palavras corretas para seus órgãos genitais, e seja um lugar seguro para eles falarem sobre corpos e sexo. Diga: “Estou tão feliz que você me perguntou isso!” Se você não souber como responder as perguntas do jeito certo, então, diga: “Estou feliz que você me perguntou sobre isso, mas eu quero pensar um pouco. Podemos falar sobre isso depois do jantar?” E sempre faça, quando você prometer de responder mais tarde.

10. Fale sobre instintos. Às vezes, tem coisas nos fazem sentir estranhos, ou assustados, ou com nojo e nós não sabemos o porquê. Pergunte ao seu filho se isso aconteceu com eles e ouça em silêncio, como eles explicam.

11. “Use suas palavras”. Não responda à birras. Peça ao seu filho que use palavras, até as palavras mais simples, para lhe dizer o que está acontecendo.

Crianças de 5 a 12 anos: 

1. Ensine às crianças que o jeito que seus corpos estão mudando é ótimo, mas às vezes pode ser confuso. O jeito que você fala sobre essas mudanças  —  tanto a perda de dentes como pelos pubianos  —  vai mostrar sua boa vontade para falar sobre outros assuntos sensíveis.

2. Encoraje-os a falar sobre o que os faz sentir bem e o que os faz sentir mal. Você gosta de sentir cócegas? Você gosta de se sentir tonto? O que mais? O que te faz sentir mal? Estar doente, talvez? Ou quando outras crianças te machucam? Deixe espaço para seu filho falar sobre qualquer coisa que vier à cabeça.

3. Lembre seu filho que tudo pelo que ele está passando é natural, crescer acontece com todos nós.

4. Ensine seus filhos a usar “palavras seguras” durante a brincadeira e os ajude a negociar o uso de tais palavras com os amigos. Nessa idade, dizer “não” pode ser parte da brincadeira, então eles precisam ter uma palavra que fará parar toda a atividade. Talvez uma bobinha, como “manteiga de amendoim” ou uma séria, como “eu tô falando sério!”. O que funcionar para todos eles está bom.

5. Ensine as crianças a parar sua brincadeira vez ou outra para checar os amiguinhos. Ensine-os a fazer uma pausa às vezes, para ter certeza de que todo mundo está se sentindo bem.

6. Encoraje as crianças a observar a expressão facial alheia durante a brincadeira, para ter certeza de que todos estão felizes.

7. Ajude a criança a interpretar o que ele vê no playground e com amigos. Pergunte-o o que ele pode ou poderia fazer de diferente para ajudá-los.

8. Não encha o saco das crianças pelos seus namoradinhos ou por ter paixonites. Tudo aquilo que eles sentirem é ok. Se a amizade deles com alguém parece ser uma paixonite, não mencione isso. Você pode fazer perguntas diretas, como “Como vai sua amizade com a Sarah?” e esteja preparada para falar  —  ou não  —  sobre isso.

9. Ensine às crianças que seus comportamentos afetam os outros. Peça a eles para observarem como as pessoas respondem quando outra pessoa faz barulho ou bagunça e pergunte a eles qual eles acham que será o resultado disso. Alguma outra pessoa vai ter que limpar a sujeira? Alguém vai ficar assustado? Explique às crianças como as escolhas que eles fazem pode afetar os outros e fale sobre quando é a hora de fazer barulho e quais são os espaços para se bagunçar.

10. Ensine às crianças a procurar oportunidades para ajudar. Eles podem levar o lixo? Eles podem ficar quietos para não interromper a leitura de alguém no ônibus? Eles podem oferecer ajuda para carregar algo ou segurar a porta para alguém passar? Tudo isso ensina as crianças que eles têm um papel em ajudar a aliviar as cargas tanto literais quanto metafóricas.

Adolescentes de 13 a 16 anos:

1. Educar sobre o “toque bom/toque ruim” continua crucial, principalmente no ensino médio. Essa é uma idade em que surgem várias “brincadeiras de toque”: bater na bunda, garotos batendo um nos genitais dos outros e beliscando os mamilos um dos outros para causar dor. Quando as crianças falam sobre essas brincadeiras, surge uma tendência onde os garotos explicam que eles acham que as garotas gostam, mas as garotas dizem que não gostam. Temos que fazê-los falar sobre as maneiras que essas brincadeiras impactam as outras pessoas.

2. Levante a autoestima dos adolescentes. No ensino médio, o bullying muda seu alvo para atingir especificamente a identidade, e a autoestima começa a despencar a partir dos treze anos. Aos dezessete anos, 78% das garotas dizem odiar seus próprios corpos. Lembre-os com frequência sobre seus talentos, suas habilidades, sua gentileza, assim como sua aparência. Mesmo se eles lhe responderem com um “Pai! Eu sei!” é sempre bom ouvir esse tipo de coisa.

3. Continue tendo as conversas sobre sexo com o adolescente, mas comece a incorporar informações sobre consentimento. Pergunte coisas como “Como você sabe se seu parceiro está pronto para te beijar?” e “Como você sabe que uma garota (ou garoto) está interessado em você?”. Essa é uma ótima hora para explicar consentimento entusiasticamente, sobre pedir permissão para beijar ou tocar um parceiro. Explique que somente “sim” significa “sim”.

4. Corte a “conversa de vestiário” pela raiz. A adolescência é a idade onde o papo sobre sexo começa em ambientes segregados por gênero, como vestiários ou festas do pijama. Suas paixonites e desejos são normais e saudáveis, mas precisamos mostrar como falar sobre nossas paixões como se elas fossem pessoas inteiras. Se você ouvir um adolescente falar “ela tem um bundão gostoso”, você pode dizer “acho que ela é mais do que uma bunda!”.

5. É comum e perfeitamente normal se sentir oprimido ou confuso com os novos sentimentos hormonais. Diga às suas crianças que não importa o que sentirem, eles podem falar com você sobre isso. Mas seus sentimentos, desejos e necessidades não são responsabilidade de ninguém além deles mesmos. Eles ainda precisam praticar bondade e respeito por todos ao seu redor.

6. Ensine aos seus filhos sobre o que é masculinidade. Pergunte o que não havia de bom na cultura de masculinidade no passado, como podemos construir uma forma de masculinidade que abranja todos os tipos de garotos: esportistas, artistas, homossexuais. Essas conversas podem encorajar a construir uma forma não-violenta de masculinidade no futuro.

7. Deixe claro que não os quer bebendo ou usando drogas, mas que você sabe que adolescentes fazem isso e quer que seus filhos estejam informados. Pergunte à eles sobre como vão manter a si mesmo e aos outros seguros. Tome cuidado com as palavras que usar para falar com seus filhos sobre “festança”.

8. Continue falando sobre sexo e consentimento com adolescentes enquanto eles começam a ter relacionamentos sérios. Sim, eles irão lhe dizer que sabem de tudo, mas a continuação da conversa sobre consentimento saudável, respeitar seus parceiros e sexualidade saudável vai mostrar à eles quão importantes esses temas são pra você.

9. Adolescentes têm sede de informação. Eles querem aprender, e eles irão achar um jeito de ter informações sobre sexo. Se você está disponibilizando essa informação amorosa, honesta e consistentemente, eles irão carregá-la para o mundo com eles.

MEDIDAS SIMPLES QUE QUE PODEM AJUDAR 

CEPMG NN

Escola de Civismo e Cidadania

Colégio Militar

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon